Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

3/4 de Mim

3/4 de Mim

Mil Sois Resplandescentes!!

01040386_Mil_Sois_Resplandecentes(RL).jpg

Um romance pleno de sensibilidade e angústia!!

 

Um livro que ultrapassa a dor e que é pleno de amor, amizade, dedicação e vitória. Um livro que fala das lutas desumanas travadas por humanos fragilizados, vidas por vingar, heranças culturais perdidas e tantos os filhos órfãos de uma batalha esquecida... a guerra travada no Afeganistão.


As duas protagonistas desta história são duas mulheres diferentes e com histórias de vida completamente distintas mas com algo em comum: casaram com o mesmo homem... Um marido violento e castrador. Um marido que fazia com que vivessem numa constante luta de sobrevivência e num imenso clima de medo. Estas duas mulheres uniram-se na dor e tornaram a relação delas numa bonita união de amizade. 

O medo que sentiam do marido era muito idêntico ao medo de viverem numa cidade, Cabul, que era fustigada pela guerra.

 

Além desta história de amizade e de união acompanhamos as imensas guerras travadas, a fome, a doença, a dor, a violência extrema, as bombas, a destruição, a morte e as imensas balas perdidas num país destruído, Afeganistão... É dor que se sente ao ler este livro, um aperto no coração em que quase se sente, quase se cheira e quase se sente o travo amargo de um sofrimento impossível de suportar. 

 

Uma cultura destruída e massacrada de uma forma tão dolorosa em que tantos perderam a vida.

 

Como me sinto grata por viver numa sociedade que respeita as mulheres e que nos faz sentir importantes e apreciadas.

 

Khaled Hosseini escreve de uma forma realista e fluida sobre uma cultura tão dura. A verdade nas palavras deste escritor são como já disse uma vez: arrebatadoras e dilacerantes. O segundo livro que já li deste escritor e não o último porque estes relatos duros fazem com que me sinta abençoada por viver tão bem, porque não imagino a cicatriz interna que uma guerra causa.

 

 

O passado continha apenas uma sabedoria: o amor era um erro perigoso, e a sua cúmplice, a esperança, uma ilusão traiçoeira."

2 comentários

Comentar post